Rola Blog - Bem-humorado em suas quatro linhas. Ou melhor, entrelinhas.

Translate Traduca Traduzca Traduisez


------------------------------
:: Conheça o PERFIL do Rola Blog e do autor
------------------------------


E-mail


E-mail
Adicione o RB aos favoritos
------------------------------


RSS


Da Arquibancada:
- Sua nota para o Rola Blog
- Indique esse Blog


Enquete
Para o Brasil receber megaeventos esportivos, o mais importante é...

Investir em mobilidade urbana e infra-estrutura

Construir arenas e estádios modernos

Planejar o legado

Estruturar o esporte de base aliado à educação

Votar


Galeria.RB
- Álbum de figurinhas
- Ingressos históricos
- Joga Blog (Games)
- Wallpapers NBA
- Mapa do site
- Escrete Virtual
- Matérias Revista Placar


TV


PODCAST


Coberturas Especiais:
- ROLA BLOG NO PAN
- COPA DO MUNDO 2006
- OLIMPÍADAS 2008
- ELES QUEREM ESTÁDIO

BLOGS


ESPORTE


Siga o Rola Blog:
------------------------------

Twitter

Orkut


Facebook


Flickr


Youtube

------------------------------

Arquivo Esportivo:
- 26/09/2010 a 02/10/2010
- 18/07/2010 a 24/07/2010
- 11/07/2010 a 17/07/2010
- 04/07/2010 a 10/07/2010
- 27/06/2010 a 03/07/2010
- 20/06/2010 a 26/06/2010
- 13/06/2010 a 19/06/2010
- 30/05/2010 a 05/06/2010
- 16/05/2010 a 22/05/2010
- 09/05/2010 a 15/05/2010
- 02/05/2010 a 08/05/2010
- 11/04/2010 a 17/04/2010
- 21/03/2010 a 27/03/2010
- 07/03/2010 a 13/03/2010
- 14/02/2010 a 20/02/2010
- 24/01/2010 a 30/01/2010
- 10/01/2010 a 16/01/2010
- 20/12/2009 a 26/12/2009
- 13/12/2009 a 19/12/2009
- 29/11/2009 a 05/12/2009
- 22/11/2009 a 28/11/2009
- 15/11/2009 a 21/11/2009
- 08/11/2009 a 14/11/2009
- 01/11/2009 a 07/11/2009
- 25/10/2009 a 31/10/2009
- 27/09/2009 a 03/10/2009
- 20/09/2009 a 26/09/2009
- 16/08/2009 a 22/08/2009
- 09/08/2009 a 15/08/2009
- 02/08/2009 a 08/08/2009
- 26/07/2009 a 01/08/2009
- 19/07/2009 a 25/07/2009
- 12/07/2009 a 18/07/2009
- 05/07/2009 a 11/07/2009
- 28/06/2009 a 04/07/2009
- 21/06/2009 a 27/06/2009
- 07/06/2009 a 13/06/2009
- 17/05/2009 a 23/05/2009
- 03/05/2009 a 09/05/2009
- 19/04/2009 a 25/04/2009
- 05/04/2009 a 11/04/2009
- 22/03/2009 a 28/03/2009
- 15/03/2009 a 21/03/2009
- 08/03/2009 a 14/03/2009
- 01/03/2009 a 07/03/2009
- 22/02/2009 a 28/02/2009
- 15/02/2009 a 21/02/2009
- 08/02/2009 a 14/02/2009
- 25/01/2009 a 31/01/2009
- 18/01/2009 a 24/01/2009
- 11/01/2009 a 17/01/2009
- 04/01/2009 a 10/01/2009
- 21/12/2008 a 27/12/2008
- 14/12/2008 a 20/12/2008
- 07/12/2008 a 13/12/2008
- 30/11/2008 a 06/12/2008
- 23/11/2008 a 29/11/2008
- 16/11/2008 a 22/11/2008
- 02/11/2008 a 08/11/2008
- 26/10/2008 a 01/11/2008
- 19/10/2008 a 25/10/2008
- 05/10/2008 a 11/10/2008
- 21/09/2008 a 27/09/2008
- 14/09/2008 a 20/09/2008
- 07/09/2008 a 13/09/2008
- 31/08/2008 a 06/09/2008
- 24/08/2008 a 30/08/2008
- 17/08/2008 a 23/08/2008
- 10/08/2008 a 16/08/2008
- 03/08/2008 a 09/08/2008
- 20/07/2008 a 26/07/2008
- 13/07/2008 a 19/07/2008
- 06/07/2008 a 12/07/2008
- 29/06/2008 a 05/07/2008
- 22/06/2008 a 28/06/2008
- 15/06/2008 a 21/06/2008
- 08/06/2008 a 14/06/2008
- 01/06/2008 a 07/06/2008
- 25/05/2008 a 31/05/2008
- 18/05/2008 a 24/05/2008
- 11/05/2008 a 17/05/2008
- 04/05/2008 a 10/05/2008
- 27/04/2008 a 03/05/2008
- 20/04/2008 a 26/04/2008
- 13/04/2008 a 19/04/2008
- 06/04/2008 a 12/04/2008
- 30/03/2008 a 05/04/2008
- 23/03/2008 a 29/03/2008
- 16/03/2008 a 22/03/2008
- 09/03/2008 a 15/03/2008
- 02/03/2008 a 08/03/2008
- 24/02/2008 a 01/03/2008
- 17/02/2008 a 23/02/2008
- 10/02/2008 a 16/02/2008
- 03/02/2008 a 09/02/2008
- 27/01/2008 a 02/02/2008
- 20/01/2008 a 26/01/2008
- 13/01/2008 a 19/01/2008
- 06/01/2008 a 12/01/2008
- 30/12/2007 a 05/01/2008
- 23/12/2007 a 29/12/2007
- 16/12/2007 a 22/12/2007
- 09/12/2007 a 15/12/2007
- 02/12/2007 a 08/12/2007
- 25/11/2007 a 01/12/2007
- 18/11/2007 a 24/11/2007
- 11/11/2007 a 17/11/2007
- 04/11/2007 a 10/11/2007
- 28/10/2007 a 03/11/2007
- 21/10/2007 a 27/10/2007
- 16/09/2007 a 22/09/2007
- 02/09/2007 a 08/09/2007
- 26/08/2007 a 01/09/2007
- 19/08/2007 a 25/08/2007
- 12/08/2007 a 18/08/2007
- 05/08/2007 a 11/08/2007
- 29/07/2007 a 04/08/2007
- 22/07/2007 a 28/07/2007
- 15/07/2007 a 21/07/2007
- 08/07/2007 a 14/07/2007
- 01/07/2007 a 07/07/2007
- 24/06/2007 a 30/06/2007
- 17/06/2007 a 23/06/2007
- 10/06/2007 a 16/06/2007
- 03/06/2007 a 09/06/2007
- 27/05/2007 a 02/06/2007
- 20/05/2007 a 26/05/2007
- 13/05/2007 a 19/05/2007
- 06/05/2007 a 12/05/2007
- 29/04/2007 a 05/05/2007
- 22/04/2007 a 28/04/2007
- 15/04/2007 a 21/04/2007
- 08/04/2007 a 14/04/2007
- 01/04/2007 a 07/04/2007
- 25/03/2007 a 31/03/2007
- 18/03/2007 a 24/03/2007
- 11/03/2007 a 17/03/2007
- 04/03/2007 a 10/03/2007
- 25/02/2007 a 03/03/2007
- 11/02/2007 a 17/02/2007
- 04/02/2007 a 10/02/2007
- 21/01/2007 a 27/01/2007
- 14/01/2007 a 20/01/2007
- 07/01/2007 a 13/01/2007
- 24/12/2006 a 30/12/2006
- 10/12/2006 a 16/12/2006
- 26/11/2006 a 02/12/2006
- 19/11/2006 a 25/11/2006
- 05/11/2006 a 11/11/2006
- 29/10/2006 a 04/11/2006
- 22/10/2006 a 28/10/2006
- 15/10/2006 a 21/10/2006
- 08/10/2006 a 14/10/2006
- 01/10/2006 a 07/10/2006
- 24/09/2006 a 30/09/2006
- 10/09/2006 a 16/09/2006
- 03/09/2006 a 09/09/2006
- 27/08/2006 a 02/09/2006
- 20/08/2006 a 26/08/2006
- 13/08/2006 a 19/08/2006
- 06/08/2006 a 12/08/2006
- 30/07/2006 a 05/08/2006
- 23/07/2006 a 29/07/2006
- 16/07/2006 a 22/07/2006
- 09/07/2006 a 15/07/2006
- 02/07/2006 a 08/07/2006
- 25/06/2006 a 01/07/2006
- 18/06/2006 a 24/06/2006
- 11/06/2006 a 17/06/2006
- 04/06/2006 a 10/06/2006
- 28/05/2006 a 03/06/2006
- 21/05/2006 a 27/05/2006
- 14/05/2006 a 20/05/2006
- 07/05/2006 a 13/05/2006
- 30/04/2006 a 06/05/2006
- 23/04/2006 a 29/04/2006
- 16/04/2006 a 22/04/2006
- 09/04/2006 a 15/04/2006
- 02/04/2006 a 08/04/2006
- 26/03/2006 a 01/04/2006
- 19/03/2006 a 25/03/2006
- 12/03/2006 a 18/03/2006
- 05/03/2006 a 11/03/2006
- 26/02/2006 a 04/03/2006
- 19/02/2006 a 25/02/2006
- 12/02/2006 a 18/02/2006
- 05/02/2006 a 11/02/2006
- 29/01/2006 a 04/02/2006
- 22/01/2006 a 28/01/2006

------------------------------


Technorati


COMO O ESPORTE GIRA EM TORNO DO MUNDO



O tombo do pódio


Após décadas formando grandes atletas em escolas do país, esporte cubano sente enfraquecimento do regime de Fidel e começa a entrar em decadência



Esporte cubano estremece com golpe financeiro e enfrenta em crise


A cena sempre se repetia. Fidel Castro fazia questão de cumprimentar cada atleta cubano que bem representasse o país pelo mundo. A cada nova medalha, um aperto de mão, e a certeza de que a Ilha mais turbulenta do Caribe se estabelecia como potência, pelo menos no esporte.


Em Olimpíadas e Pan-americanos, Cuba atropelava. Boxe, beisebol, atletismo e judô, então, nem se fale. Era um passeio cubano atrás do outro. E foi a partir da Revolução, e da instituição do governo socialista, em 1959, que o país deu sua arrancada esportiva.


Para servir como propaganda internacional do novo regime, Fidel empreendeu investimentos maciços nas áreas da saúde, da educação e, sobretudo, do esporte. Um projeto audaz, financiado pela ajuda econômica da antiga União Soviética e dos aliados socialistas, que, em poucos anos, praticamente erradicou o analfabetismo e colocou Cuba no topo dos Jogos Olímpicos.


Mas foi a partir da década de 70, quando recebia aproximadamente US$ 3 bilhões da URSS por ano, que Cuba começou a obter resultados do seu investimento. O esporte era a forma de mostrar, principalmente aos Estados Unidos, que o sistema caminhava bem, apesar do bloqueio econômico imposto em 1962.


Na Olimpíada de 1972, em Munique, na Alemanha, os cubanos chamaram a atenção do mundo após terminarem os Jogos em 14º lugar, com três medalhas de ouro. Desde 1904, em Saint Louis, nos EUA, Cuba não tinha um atleta no lugar mais alto do pódio.


Já nos Jogos de Barcelona, em 1992, Cuba conquistaria sua melhor colocação na história das Olimpíadas. Levou o 5º lugar e 14 ouros. Foi justamente nesse ano que os subsídios soviéticos cessaram, logo após a queda do Muro de Berlim e ao colapso da URSS, no final de 1991. Um marco para o esporte cubano, que, a partir dali, entraria em declínio, apesar de alguns bons resultados nos Jogos seguintes. 


 


Para o jornalista cubano, diretor do portal Cubanet, Hugo Landa, o governo Castro passou a ver o esporte como uma questão de política de Estado, investindo receitas desproporcionais para transformar o país em uma potência esportiva, sob o rótulo de “conquistas da Revolução”, juntamente com saúde e educação.


“Os bons resultados dos atletas cubanos mantiveram, por muito tempo, a ilusão de que Cuba era uma potência esportiva. Mas, sem os dólares soviéticos, a política social do regime desmoronou, levando junto com ela o esporte e toda a fantasia gerada em torno dele”, analisa Landa.


ESPORTE E EDUCAÇÃO, UMA DOBRADINHA EM COLAPSO


O modelo cubano de investimento em esporte sempre esteve sustentado por dois pilares: financiamento do Estado – boa parte bancada pela União Soviética, no caso – e formação em escolas. Quem administra todo esse mecanismo é o Instituto Nacional de Esportes, Educação Física e Recreação (INDER), responsável por organizar diversas competições pelo país, como os Jogos Escolares Nacionais.


Através delas, são descobertos os grandes talentos do esporte cubano, que desde muito jovens já experimentam a iniciação esportiva dentro da escola. “A captação de atletas nas escolas cubanas começa bem cedo, geralmente entre 8 e 10 anos. Todo o suporte ao atleta é gratuito”, afirma Miguel Ernesto Masjuán, professor da Universidade de Havana.


Para se tornar um atleta de elite em Cuba é necessário passar por cinco estágios básicos, que partem de uma seletiva feita nas escolas e se estendem até o Centro de Alto Rendimento Esportivo, onde está a nata do esporte cubano. Em toda a Ilha, há apenas três desses centros. Lá, os atletas contam com profissionais e treinadores dos mais qualificados e são preparados para competições internacionais em diversas modalidades.


“Antes, o esporte cubano era famoso apenas pelo beisebol e pelo boxe. Hoje, devido ao investimento do governo, somos reconhecidos em várias modalidades”, aponta Masjuán.


Entretanto, o esporte em Cuba já não tem o mesmo prestígio de outros tempos. Desde Atlanta, em 2000, os números de medalhas do país em Olimpíadas, principalmente as de ouro, foram caindo, até chegar à insólita marca de apenas dois altos do pódio nos últimos Jogos Olímpicos, em Pequim. O mau resultado fez com que Cuba, acostumada ao top-10, amargasse 28º colocação no quadro geral de medalhas, atrás de países como Quênia, Etiópia e até mesmo do Brasil.


Do início do século para cá, o regime de Fidel começou a entrar em colapso econômico devido à escassez de recursos provindos de países aliados. O esporte, tal qual a saúde e a educação, também sentiram o baque. E o declínio se reflete diretamente nos resultados dos atletas cubanos nas Olimpíadas e em competições de diversas modalidades.


Carlos Roberto Horta, professor de Ciência Política da UFMG, esteve em Cuba por duas vezes, em 2003 e 2006. Ele traça um paralelo entre o panorama do esporte e da saúde na Ilha, contando, por exemplo, a situação dos hospitais cubanos, que estão em péssimo estado de conservação. Muitos deles, literalmente, caindo aos pedaços.


“Por falta de dinheiro para investir em estrutura e tecnologia, agravada pela inexistência de ajuda externa a Cuba, a bolha do sistema de saúde, até então bem sucedido, vai estourar e entrar em decadência, assim como no esporte. Sem dinheiro circulando, não há política pública que resista”. 


 


Nem mesmo o boxe e o beisebol, tradicionalíssimos na Ilha, salvam a pele do regime. Em Pequim, o boxe, que sempre foi a grande esperança de medalhas, não levou um ouro sequer. O beisebol, além de ter amargado a prata nas últimas Olimpíadas, acabou eliminado precocemente do Clássico Mundial – principal torneio da modalidade. Foi a pior campanha do time cubano num torneio internacional em toda a história.


Sem dinheiro para reestruturar seu modelo esportivo, Cuba ainda tem de lidar com outro problema: as deserções. É comum atletas viajarem para competir em outros países e não retornarem mais à terra natal. Buscam melhores condições financeiras, outras oportunidades, já que em Cuba, onde o esporte é considerado “amador” pelo governo, não podem se transferir para equipes ou ligas do exterior.


Os casos que mais repercutiram ultimamente foram os dos boxeadores Guillermo Rigoundeaux e Erislandy Lara, que desertaram no Pan do Rio de Janeiro, em 2007, mas acabaram deportados pouco tempo depois. Lara, inclusive, teve sucesso em outra tentativa de deserção, e hoje luta profissionalmente em Miami, nos EUA.


Para Hugo Landa, os atletas cubanos acabam se tornando propriedade do Estado, sem direito de escolher o melhor destino para suas carreiras:

“Em Cuba, não sabemos o que está pior: educação ou esporte. Por isso, a esperança dos esportistas cubanos é poder fugir um dia para um país onde possam praticar esporte livremente, ganhar dinheiro e ser donos de suas vidas, não escravos encarregados de ganhar medalhas para uma cruel ditadura”.

LEIA: OUTRAS VISÕES SOBRE O ESPORTE NA ILHA



- Postado por: Breiller Pires às 02h28
[ ] [ envie esta mensagem ]

Compartilhe: AddThis Feed Button
___________________________________________________




COMO O ESPORTE GIRA EM TORNO DO MUNDO

 

Torcida à mineira


Belo Horizonte é a capital mundial dos bares. São mais de 10 mil espalhados pela cidade. Não é à toa que os botecos são o reduto preferido de torcedores de todos os cantos para acompanhar aos jogos do clube do coração.


É o encontro de identidades regionais: torcedores de clubes de outros estados que se reúnem para assistir a jogos em bares de Belo Horizonte, celebrando com um hábito tipicamente mineiro o prazer de vibrar pelo seu time.


Bar do Botafogo



Considerando cultura como um conjunto de costumes, tradições e hábitos, o historiador e professor da USP, Hilário Franco Jr., explica que, além de tentar compreender a confluência de identidades estabelecidas nesses bares, é importante também analisar o que leva um paulista, por exemplo, que vive há anos em BH, continuar torcendo pelo São Paulo ao invés de torcer por um clube mineiro.

Autor do livro A dança dos deuses: futebol, sociedade, cultura, Hilário explica que “a identidade clubística ajuda a marcar a própria identidade do indivíduo. Quando alguém sai de outra cidade para morar em Belo Horizonte, por exemplo, carrega vários elementos próprios da sua cultura de origem, do seu ambiente familiar, do seu antigo círculo de convivência”.


Bar do Flamengo



“No entanto, esse indivíduo não é completamente absorvido pela nova cidade, já que ali se torna difícil reproduzir alguns hábitos que ele cultivava em sua cidade de origem. O carioca não carrega a praia, o paulista não carrega a balada, o gaúcho não carrega o chimarrão nem o baiano carrega o acarajé”.

“É complicado, até mesmo por uma questão de logística, reproduzir esses costumes típicos em outra cidade. Porém, a paixão pelo clube, mesmo à distância, permanece, pois se trata de um ‘sentimento transportável’. E esse é talvez um dos elos afetivos mais fortes que continuam ligando o indivíduo às suas origens”.


Bar do Corinthians



“Mesmo incorporando hábitos típicos da cultura do belo-horizontino, como o ritual de frequentar bares, o torcedor mantém o elo afetivo com seu time do coração inabalado, pois, além de ser uma forma de remeter às suas origens, é a maneira mais expressiva que ele encontra de marcar sua identidade em seu novo habitat, diferenciando-se dos nativos”.


MAPA: localização dos bares de cada clube em Belo Horizonte


Bar do São Paulo



A primeira reunião geralmente acontece pela internet, através de redes sociais. Depois, a torcida do “clube de fora” vai em busca de um bar que possa recebê-la e transmitir os jogos do seu time.


Geralmente, ou o dono do boteco é torcedor desse mesmo clube ou tem visão de negócio apurada, já que a casa terá movimento garantido no dia das partidas.


Em média, cada bar recebe 100 torcedores por jogo. Esse número pode ser cinco vezes maior em dias de jogos decisivos.


“Os frequentadores desses bares provavelmente são muito diferentes entre si. Mas o elo que os une, o elo pelo futebol, consegue ser mais forte. Mesmo longe de casa, numa sociedade cada vez mais global e num ambiente onde a maioria torce por times distintos do seu, eles compartilham o sentimento de comunidade, de compaixão”, analisa Hilário.

-----------------------------------------
 Acompanhe a série pelo Twitter: #esportemundo
 Veja fotos dos bares no álbum do Rola Blog no Flickr.



- Postado por: Breiller Pires às 11h30
[ ] [ envie esta mensagem ]

Compartilhe: AddThis Feed Button
___________________________________________________