Rola Blog - Bem-humorado em suas quatro linhas. Ou melhor, entrelinhas.

Translate Traduca Traduzca Traduisez


------------------------------
:: Conheça o PERFIL do Rola Blog e do autor
------------------------------


E-mail


E-mail
Adicione o RB aos favoritos
------------------------------


RSS


Da Arquibancada:
- Sua nota para o Rola Blog
- Indique esse Blog


Enquete
Para o Brasil receber megaeventos esportivos, o mais importante é...

Investir em mobilidade urbana e infra-estrutura

Construir arenas e estádios modernos

Planejar o legado

Estruturar o esporte de base aliado à educação

Votar


Galeria.RB
- Álbum de figurinhas
- Ingressos históricos
- Joga Blog (Games)
- Wallpapers NBA
- Mapa do site
- Escrete Virtual
- Matérias Revista Placar


TV


PODCAST


Coberturas Especiais:
- ROLA BLOG NO PAN
- COPA DO MUNDO 2006
- OLIMPÍADAS 2008
- ELES QUEREM ESTÁDIO

BLOGS


ESPORTE


Siga o Rola Blog:
------------------------------

Twitter

Orkut


Facebook


Flickr


Youtube

------------------------------

Arquivo Esportivo:
- 26/09/2010 a 02/10/2010
- 18/07/2010 a 24/07/2010
- 11/07/2010 a 17/07/2010
- 04/07/2010 a 10/07/2010
- 27/06/2010 a 03/07/2010
- 20/06/2010 a 26/06/2010
- 13/06/2010 a 19/06/2010
- 30/05/2010 a 05/06/2010
- 16/05/2010 a 22/05/2010
- 09/05/2010 a 15/05/2010
- 02/05/2010 a 08/05/2010
- 11/04/2010 a 17/04/2010
- 21/03/2010 a 27/03/2010
- 07/03/2010 a 13/03/2010
- 14/02/2010 a 20/02/2010
- 24/01/2010 a 30/01/2010
- 10/01/2010 a 16/01/2010
- 20/12/2009 a 26/12/2009
- 13/12/2009 a 19/12/2009
- 29/11/2009 a 05/12/2009
- 22/11/2009 a 28/11/2009
- 15/11/2009 a 21/11/2009
- 08/11/2009 a 14/11/2009
- 01/11/2009 a 07/11/2009
- 25/10/2009 a 31/10/2009
- 27/09/2009 a 03/10/2009
- 20/09/2009 a 26/09/2009
- 16/08/2009 a 22/08/2009
- 09/08/2009 a 15/08/2009
- 02/08/2009 a 08/08/2009
- 26/07/2009 a 01/08/2009
- 19/07/2009 a 25/07/2009
- 12/07/2009 a 18/07/2009
- 05/07/2009 a 11/07/2009
- 28/06/2009 a 04/07/2009
- 21/06/2009 a 27/06/2009
- 07/06/2009 a 13/06/2009
- 17/05/2009 a 23/05/2009
- 03/05/2009 a 09/05/2009
- 19/04/2009 a 25/04/2009
- 05/04/2009 a 11/04/2009
- 22/03/2009 a 28/03/2009
- 15/03/2009 a 21/03/2009
- 08/03/2009 a 14/03/2009
- 01/03/2009 a 07/03/2009
- 22/02/2009 a 28/02/2009
- 15/02/2009 a 21/02/2009
- 08/02/2009 a 14/02/2009
- 25/01/2009 a 31/01/2009
- 18/01/2009 a 24/01/2009
- 11/01/2009 a 17/01/2009
- 04/01/2009 a 10/01/2009
- 21/12/2008 a 27/12/2008
- 14/12/2008 a 20/12/2008
- 07/12/2008 a 13/12/2008
- 30/11/2008 a 06/12/2008
- 23/11/2008 a 29/11/2008
- 16/11/2008 a 22/11/2008
- 02/11/2008 a 08/11/2008
- 26/10/2008 a 01/11/2008
- 19/10/2008 a 25/10/2008
- 05/10/2008 a 11/10/2008
- 21/09/2008 a 27/09/2008
- 14/09/2008 a 20/09/2008
- 07/09/2008 a 13/09/2008
- 31/08/2008 a 06/09/2008
- 24/08/2008 a 30/08/2008
- 17/08/2008 a 23/08/2008
- 10/08/2008 a 16/08/2008
- 03/08/2008 a 09/08/2008
- 20/07/2008 a 26/07/2008
- 13/07/2008 a 19/07/2008
- 06/07/2008 a 12/07/2008
- 29/06/2008 a 05/07/2008
- 22/06/2008 a 28/06/2008
- 15/06/2008 a 21/06/2008
- 08/06/2008 a 14/06/2008
- 01/06/2008 a 07/06/2008
- 25/05/2008 a 31/05/2008
- 18/05/2008 a 24/05/2008
- 11/05/2008 a 17/05/2008
- 04/05/2008 a 10/05/2008
- 27/04/2008 a 03/05/2008
- 20/04/2008 a 26/04/2008
- 13/04/2008 a 19/04/2008
- 06/04/2008 a 12/04/2008
- 30/03/2008 a 05/04/2008
- 23/03/2008 a 29/03/2008
- 16/03/2008 a 22/03/2008
- 09/03/2008 a 15/03/2008
- 02/03/2008 a 08/03/2008
- 24/02/2008 a 01/03/2008
- 17/02/2008 a 23/02/2008
- 10/02/2008 a 16/02/2008
- 03/02/2008 a 09/02/2008
- 27/01/2008 a 02/02/2008
- 20/01/2008 a 26/01/2008
- 13/01/2008 a 19/01/2008
- 06/01/2008 a 12/01/2008
- 30/12/2007 a 05/01/2008
- 23/12/2007 a 29/12/2007
- 16/12/2007 a 22/12/2007
- 09/12/2007 a 15/12/2007
- 02/12/2007 a 08/12/2007
- 25/11/2007 a 01/12/2007
- 18/11/2007 a 24/11/2007
- 11/11/2007 a 17/11/2007
- 04/11/2007 a 10/11/2007
- 28/10/2007 a 03/11/2007
- 21/10/2007 a 27/10/2007
- 16/09/2007 a 22/09/2007
- 02/09/2007 a 08/09/2007
- 26/08/2007 a 01/09/2007
- 19/08/2007 a 25/08/2007
- 12/08/2007 a 18/08/2007
- 05/08/2007 a 11/08/2007
- 29/07/2007 a 04/08/2007
- 22/07/2007 a 28/07/2007
- 15/07/2007 a 21/07/2007
- 08/07/2007 a 14/07/2007
- 01/07/2007 a 07/07/2007
- 24/06/2007 a 30/06/2007
- 17/06/2007 a 23/06/2007
- 10/06/2007 a 16/06/2007
- 03/06/2007 a 09/06/2007
- 27/05/2007 a 02/06/2007
- 20/05/2007 a 26/05/2007
- 13/05/2007 a 19/05/2007
- 06/05/2007 a 12/05/2007
- 29/04/2007 a 05/05/2007
- 22/04/2007 a 28/04/2007
- 15/04/2007 a 21/04/2007
- 08/04/2007 a 14/04/2007
- 01/04/2007 a 07/04/2007
- 25/03/2007 a 31/03/2007
- 18/03/2007 a 24/03/2007
- 11/03/2007 a 17/03/2007
- 04/03/2007 a 10/03/2007
- 25/02/2007 a 03/03/2007
- 11/02/2007 a 17/02/2007
- 04/02/2007 a 10/02/2007
- 21/01/2007 a 27/01/2007
- 14/01/2007 a 20/01/2007
- 07/01/2007 a 13/01/2007
- 24/12/2006 a 30/12/2006
- 10/12/2006 a 16/12/2006
- 26/11/2006 a 02/12/2006
- 19/11/2006 a 25/11/2006
- 05/11/2006 a 11/11/2006
- 29/10/2006 a 04/11/2006
- 22/10/2006 a 28/10/2006
- 15/10/2006 a 21/10/2006
- 08/10/2006 a 14/10/2006
- 01/10/2006 a 07/10/2006
- 24/09/2006 a 30/09/2006
- 10/09/2006 a 16/09/2006
- 03/09/2006 a 09/09/2006
- 27/08/2006 a 02/09/2006
- 20/08/2006 a 26/08/2006
- 13/08/2006 a 19/08/2006
- 06/08/2006 a 12/08/2006
- 30/07/2006 a 05/08/2006
- 23/07/2006 a 29/07/2006
- 16/07/2006 a 22/07/2006
- 09/07/2006 a 15/07/2006
- 02/07/2006 a 08/07/2006
- 25/06/2006 a 01/07/2006
- 18/06/2006 a 24/06/2006
- 11/06/2006 a 17/06/2006
- 04/06/2006 a 10/06/2006
- 28/05/2006 a 03/06/2006
- 21/05/2006 a 27/05/2006
- 14/05/2006 a 20/05/2006
- 07/05/2006 a 13/05/2006
- 30/04/2006 a 06/05/2006
- 23/04/2006 a 29/04/2006
- 16/04/2006 a 22/04/2006
- 09/04/2006 a 15/04/2006
- 02/04/2006 a 08/04/2006
- 26/03/2006 a 01/04/2006
- 19/03/2006 a 25/03/2006
- 12/03/2006 a 18/03/2006
- 05/03/2006 a 11/03/2006
- 26/02/2006 a 04/03/2006
- 19/02/2006 a 25/02/2006
- 12/02/2006 a 18/02/2006
- 05/02/2006 a 11/02/2006
- 29/01/2006 a 04/02/2006
- 22/01/2006 a 28/01/2006

------------------------------


Technorati


Que papelão, que nada



À moda do jubilado juiz, Cidinho “Bola Nossa”, escrevo este post deixando de lado qualquer tipo de imparcialidade.

O árbitro, torcedor confesso do Atlético Mineiro, não hesitou em tomar partido do time em um jogo contra o Botafogo. Enquanto os jogadores de ambas as equipes brigavam pela posse da bola, em uma cobrança de lateral, Cidinho deu o veredito: “É nossa, a bola é nossa [do Atlético]”.

Hoje a bola é minha. Poucas horas após passar pela maior decepção como torcedor, é difícil postar alguma coisa em homenagem aos nossos algozes.

Em emoção, certamente esse jogo não ganhou da histórica e mágica final da Mercosul, em 2000. Nela, o Vasco virou uma partida em que perdia por três gols em apenas um tempo.

A partir daquele dia, eu, vascaíno que só vendo, acreditava de vez no mito de “time da virada”.

Por confiar demais, talvez, o tombo foi feio. Trocaria as oito estrelas da constelação de Malta por uma em cima do maior rival. Até porque o vice vem entalado na garganta há um tempão.

Porém, a paixão pelo time da Colina é tanta que uma derrota não abala o orgulho de ser vascaíno. Cruzmaltino que é cruzmaltino não é Vasco até morrer, como muitos piegas dizem por aí.

Mas é aquele que vive o prazer de vibrar pelo Vasco, ao menos por um minutinho, com tamanha intensidade. Amar um clube tão tradicional é diferente de amar um time.

Nesse amor, que mistura futebol e, até certo ponto, um pouco de irracionalidade, mergulhamos na história. Simbolizamos na cruz de malta todo o peso de um passado glorioso.

Passado este que remete, novamente, ao lema das grandes viradas. Que se reascende com vigor na simples esperança de que, por trás de uma derrota marcante, vem ligeira a reabilitação.

Basta rasgar o papel, mover o traseiro do trono e desenhar, a traços firmes, a próxima página na história.

Parabéns ao Flamengo, rival de poucas e boas, pelo título.

Flamenguistas, podem pensar na Libertadores.

Todavia, no lugar deles, eu ficaria com uma ponta de inveja. Inveja, sim, por que não?

O baque da derrota para o arqui-rival não tira dos vascaínos o orgulho, nem mesmo faz com que eles saiam queimando camisas e bandeiras por aí. Procurar heróis ou vilões? Muito menos...

Fazer da tristeza motivo de alegria, na qual se alenta com soberba, isso sim é uma grande conquista. Então, sinta-se feliz, torcedor vascaíno. Porque torcer assim não é pra qualquer um.



- Postado por: Breiller Pires às 01h31
[ ] [ envie esta mensagem ]

Compartilhe: AddThis Feed Button
___________________________________________________




Discípulo de Parreira


Dunga, o novo treinador da Seleção

Boa, Ricardo Teixeira!

Um técnico que transmitisse garra aos jogadores era tudo o que precisávamos. Mas desde quando o Dunga, capitão do Tetra, é treinador?

Pois bem. As eliminatórias não oferecem lá grandes percalços. Pouco custa colocar um estagiário no comando da Seleção Brasileira.

Se for bem, está fichado e confirmado para a Copa da África. Caso contrário, a gente corre com ele e chama um Felipão da vida.

A CBF só pode ter pensado assim. Devem ter levado a sério demais os pedidos de raça ao time que fracassou na Alemanha.

Será que o Dunga vai entrar em campo, berrar, esbravejar e resolver quando a coisa estiver preta? Ele só tem de lembrar que agora não pode ultrapassar a área técnica.

Dunga fora um excelente jogador, mas daí a ser um bom técnico é outra história. Imagina se ele decide aplicar, ao seu estilo, a metodologia do professor de 94 [Parreira]?

Teremos um retranqueiro bravo e inquieto à beira de campo. E alguém que se atreva a reclamar com o Ricardo Teixeira da escolha. Vai sair com o rabo entre as patas e ouvir: “não era isso que o povo queria? Atitude no comando? Tá aí, fiz a minha parte.”

Prezavam, a maioria, pela renovação no selecionado. A experiência poderia ser mantida à frente da equipe, ainda que Parreira tenha saído.

A solução agora é ver no que dá.

É toda sua, Dunga!



- Postado por: Breiller Pires às 17h36
[ ] [ envie esta mensagem ]

Compartilhe: AddThis Feed Button
___________________________________________________




Pô, Braguinha!


Heleno de Freitas disputando uma bola com a defesa do Flamengo


A história de hoje tem dois protagonistas. Um deles é Heleno de Freitas, maior ídolo do Botafogo antes de Garrincha. O outro é Braguinha, companheiro de Heleno no alvinegro carioca, na década de 40.

Heleno de Freitas nasceu em uma tradicional família mineira de São João Nepomuceno. Formou-se em Direito. Chegou à equipe profissional do Botafogo em 1937.

Jogador conhecido por sua elegância fora dos gramados, Heleno, em campo, se transformava. Intempestivo, era, por vezes, expulso das partidas.

Desentendia-se freqüentemente com treinadores e companheiros de equipe. No entanto, foi ídolo no Botafogo pelos gols que marcara nos mais de dez anos em que esteve no clube.

O lendário jogador era, também, antipático com os companheiros que “não estavam a sua altura”.

Braguinha foi um dos que sofreu jogando ao lado de Heleno. Recém-chegado do Cruzeiro, o ponta-direita formou o ataque do Botafogo de 47-48, ao lado de Gilda.

Gilda? Pois é... Era o apelido que deixava Heleno de Freitas enfurecido.

Certa vez, a torcida adversária, para provocar o jogador, cantou em coro: “Gilda, Gilda, Gilda!”. Heleno baixou o calção em pleno campo e apontou a gild... ou melhor, “as partes baixas” para os torcedores. Um escândalo para aquela época.

Mas era esse o polêmico goleador. Homem culto e espirituoso, até para pegar no pé de um companheiro, Heleno o fazia com classe.

Braguinha quem o diga. Ele fora um dos “escolhidos” pelo atacante do estopim curto. O ponta-direita, de origem humilde e boa índole, até tentava agradar. Fazia seu jogo em torno de Heleno. No entanto, era sempre reprimido pelo companheiro.

Heleno de Freitas reclama de um lateral mal cobrado por Braguinha, em sua direção: “Pô, Braguinha! Nem com a mão?”

Em outro lance, Heleno estica uma bola na linha de fundo para o ponta, que, mesmo se esforçando, não consegue alcançá-la. Braguinha, ainda correndo, ouve o impaciente companheiro: “Aproveita, Braguinha, e vai direto! Não precisa voltar, não”.

Essas e outras histórias estão no livro “Nunca houve um homem como Heleno”, de Marcos Eduardo Neves. A biografia mostra o que poderia ser uma carreira brilhante, que, entretanto, termina cedo. Aos 38 anos, morre Heleno de Freitas, enclausurado no leito de um sanatório, em Barbacena.

Nunca houve um homem como ele, já dizia o título do livro. Porém, se houvesse um Heleno no futebol atual, não iam faltar Braguinhas pra ele esculhambar.



- Postado por: Breiller Pires às 18h42
[ ] [ envie esta mensagem ]

Compartilhe: AddThis Feed Button
___________________________________________________